01 maio, 2007

Pelo pão, pela paz e pela liberdade


"Em Portugal, o movimento sindical e laboral foi-se reforçando até ao derrube da Monarquia e a instauração da República. Com o novo regime político, algumas câmaras municipais decretaram o 1º de Maio como feriado oficial. A luta pela jornada de oito horas recrudesceu, o que levou a que ela fosse consagrada em 1919 para os trabalhadores da indústria e do comércio.
Sete anos depois, com o golpe militar do 28 Maio de 1926, as liberdades fundamentais são suprimidas e fascizados os sindicatos. O 1º de Maio é proibido e as iniciativas que os trabalhadores, um pouco por todo o lado, tentam concretizar são alvo da mais feroz repressão policial. Por essa razão, a jornada do 1º de Maio alia, crescentemente, a luta pelo Pão, pela Paz e pela Liberdade à contestação do regime.
Na longa noite fascista, o 1º de Maio de 1962 fica a constituir um raio de luminosa esperança. Nesse dia, em Lisboa, Porto, Setúbal e outras localidades, dezenas de milhares de pessoas saem à rua, protestando contra a falta de liberdades, contra a miséria e contra a guerra colonial que eclodira no ano anterior e que havia de vitimar e mutilar milhares e milhares de jovens trabalhadores.
Também nesta altura cerca de 200 mil assalariados rurais do Alentejo e do Ribatejo entram em greve, conseguindo, desta maneira, impor aos latifundiários e ao fascismo a jornada de oito horas. Punha-se fim, finalmente, ao trabalho de sol a sol.
O edifício da ditadura estremece, mas há-de demorar mais uma dúzia de anos a ruir. "


Fiz, fiz um copy paste

2 comentários:

Poliedro disse...

Tinha 16 anos quando o 25 de Abril aconteceu. Sinceramente, no momento, não me apercebi bem do que se passava no meu querido Portugal que sempre amei.
Era o obscuramento político que os governantes do fascismo queriam.
O meu adorável Pai explicou-me tudo com paciência, mas um prazer imenso. Ele entendia a reviravolta política surgida, a busca plena da liberdade com alegria e satisfação.
Foi a minha verdadeira primeira lição que lhe agradeci com emoção.
O 1º de Maio veio logo a seguir. Um Direito de todos os TRabalhadores!
O teu Texto elucida bem o que aconteceu.
Fizeste bem em o relembrar.
Beijo
pena

Poliedro disse...

Não sei se a palavra "obscuramento" existe, também não a queria utilizar. É "obscurantismo" que queria dizer.
Beijos.
pena