31 dezembro, 2009

A Saga de um Pensador, Augusto Cury


Neste seu primeiro romance, o psiquiatra Augusto Cury narra a trajectória de Marco Polo – não o navegador e aventureiro veneziano do século XIII, mas um jovem que embarca na grande aventura que é a vida. Marco Polo é um estudante de Medicina, um espírito livre cheio de sonhos e expectativas. Ao entrar para a faculdade, é confrontado com uma dura realidade: a da insensibilidade e frieza dos seus professores, que não percebem que cada paciente é, mais do que um conjunto de sintomas, um ser humano com uma história complexa e única de perdas e desilusões. Indignado, o jovem desafia profissionais de renome internacional para provar que os pacientes com perturbações psíquicas precisam de mais que remédios e diálogo – precisam de ser tratados como pessoas, como iguais. Numa luta constante contra a discriminação, Marco Polo vai provocando uma verdadeira revolução de mentalidades… http://www.wook.pt

25 dezembro, 2009

24 dezembro, 2009

Sledge, no seu melhor!



FEIOSÃO MAS COM UMA VOZ LINDA DE MORRER!

FELIZ NATAL

23 dezembro, 2009

22 dezembro, 2009

21 dezembro, 2009

18 dezembro, 2009

17 dezembro, 2009

16 dezembro, 2009

Expo Toyo Ito

Toyo Ito

Tod’s Omotesando
Parque Grin

Mikimoto Ginza Building, at Ginza Tokyo Japan, design by Toyo Ito.




01 dezembro, 2009

Bestial







Autoras: Isabel López e Sandra Tarruella

Restaurante localizado junto ao mar, à escultura do Frank Gery e à torre Mapfre.
Arquitectura de interior minimalista ao estilo novaiorquino. Possui uma esplanada em vários niveis, cujas plataformas funcionam também como lugar para sentar.
Não sei de onde veio o nome, mas é mesmo bestial.

30 novembro, 2009

!!!!!!!!!!!!!





Vi uma e lembrei-me de outra!

29 novembro, 2009

El Japonés






Autoras: Isabel López e Sandra Tarruella
El Japonés fica no Passeig de Grácia em Barcelona.
É um restaurante com espaços de linguagem arquitectónica contemporânea. Combina as linhas direitas e modernas com a tradição japonesa e a exploração da luz para distinguir diferentes áreas.
Além de se comer o sushi, pode-se admirar a decoração minimalista e elegante. É pena estar sempre cheio. Virou moda!

Calle Princesa, 11


07 novembro, 2009

06 novembro, 2009

30 outubro, 2009

18 outubro, 2009

Bernardo Rodrigues

O Centro de Criação para o Teatro e Artes de Rua (CCTAR) de Santa Maria da Feira - projecto de Bernardo Rodrigues.

17 outubro, 2009

Aluno acusa ministra de "tirar credibilidade à democracia"

ISTO MERECE DIVULGAÇÃO, E O REGISTO DA MINHA ADMIRAÇÃO PELO ALUNO PEDRO FEIJÓ.
Aluno acusa ministra de "tirar credibilidade à democracia"
16.10.2009 - 21h28 Lusa
O representante dos alunos do Liceu Camões destacou-se hoje durante as comemorações dos 100 anos da escola ao tecer duras críticas à política educativa, acusando a ministra da Educação de “tirar credibilidade à democracia”.Pedro Feijó, delegado dos alunos no Conselho Pedagógico do Liceu Camões, foi um dos participantes da cerimónia do 100º aniversário da escola, ao lado do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, e da ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, além do director da escola e do médico João Lobo Antunes, um dos antigos alunos. Pedro Feijó, que discursou de improviso, criticou o que disse serem os “entraves que foram postos à democracia nas escolas pelas novas políticas de Educação” e “a linha de orientação errada que a Educação tomou”, acusações que não mereceram qualquer reacção da ministra no discurso que fez de seguida. “O que o Ministério fez foi tirar credibilidade à democracia dentro e fora da escola”, sublinhou. Entre os exemplos que considera negativos das políticas educativas do Governo cessante, o aluno apontou o novo Estatuto do Aluno, considerando que, em vez de falar dos estudantes como “os agentes construtores da escola, fala como essas pessoas iguais e padronizados, que vêm às escolas apenas para fazer os seus testes e competir por um futuro que não é garantido e que devia ser um direito”. Outro exemplo daquilo que considerou “um dos maiores ataques à democracia” é o novo modelo de gestão das escolas, que “tira a representatividade e o poder aos estudantes e outras classes nos órgãos de gestão, dando-o a agentes exteriores à escola”. “Por melhor que essa colaboração pudesse ser, não podemos prescindir de direitos tão fundamentais como a eleição do director da escola e a elaboração do regulamento interno”, sublinhou, motivando fortes aplausos entre a audiência. Mas, para o jovem estudante, pior do qualquer lei, “foi a atitude do ministério”. “Desprezou manifestações com milhares de estudantes, só por sermos menores, como se por sermos estudantes de secundário não tivéssemos uma palavra a dizer. Desprezou abaixo-assinados, incluindo um com dez mil assinaturas de estudantes, que pediram a revogação destas leis. Desprezou manifestações com várias dezenas de milhar de professores que lutavam pelos seus direitos, pelas suas escolas”, sustentou.

19 setembro, 2009

Auto-retrato


Numa sala de jantar organizada segundo a tradição, onde tudo deveria estar no sitio certo, reinava o silêncio modorrento de uma tarde soalheira, matizada pelos tons quentes da decoração, mistura cromática queirosiana, feita de cortinas e tapetes, com os raios de luz projectados através das janelas que davam para o jardim da entrada.

Eu, de franja, duas trancinhas, e de soquetes, pela mão do meu pai, aguardávamos o senhor doutor.Aguardávamos em silêncio, pois estávamos numa casa de saúde, onde o barulho não era permitido, e todos caminhavam com pés de veludo.

O silêncio era enriquecido pela localização dessa grande casa, mistura de casa de quinta e clínica, na periferia da cidade de Vila Real do inicio da década de 60. O barulho urbano mais persistente que eventualmente chegava até lá, seria resultante do motor de algum carro de aluguer, conhecido como carro de praça, que transportando alguém carente de cuidados médicos, percorria o estreito caminho de acesso e finalmente estacionava no jardim, dando seguimento à sinfonia do silêncio reinante, que se estendia até ao rio Corgo.

Ouvia-se o nosso respirar recortado de forma regular pelo pêndulo obediente do relógio de sala.

O tic, tac, tic, tac, tic... ia embalando a minha consciência, desconfigurando o tempo, deformando a noção dos minutos que passavam, mas oferecendo-me um grande aconchego que perdurou até hoje na minha memória.

Antes de conhecer o Dr. Otílio, foi-me apresentado o seu auto-retrato, localizado numa das paredes dessa sala, entre aparadores e vitrines.

Com três anos de idade, achei o auto-retrato, quase à escala natural, uma pintura gigante. A figura do médico, de bata branca, acompanhada pelos inseparáveis, bigode e cabeleira indomáveis, era maior do que todas as gravuras que eu tinha conhecido durante a minha curta existência. Aproximei-me, pus a minha mão de petiza, admirei cada pormenor. Achei o doutor simpático, mas escondi a minha chupeta cor-de-rosa, como medida de precaução - diziam-me que os senhores de bigode não gostavam de chupetas, na esperança de eu ir largando esse vício infantil.

Continuei a observar a tela, as pinceladas, as texturas, .... mas eu tinha que olhar para cima, e não chegava com a mão ao seu rosto.

O meu pai pegou-me ao colo.

Dei-lhe a chupeta para guardar no bolso, pois achava que seria mais seguro, ser o meu pai a guardar tão preciosa dependência, já que ao colo estaria ao nível dos bigodes do doutor - não fosse acontecer alguma surpresa com esse pedaço de parede que tinha bigodes e que era tão semelhante à realidade.

Tic, tac,... tic, tac,...tic,...
- Não mexas no retrato! O senhor doutor foi quem pintou o seu próprio retrato, disse o meu pai. Ele pinta muito bem, podes olhar, mas não deves por as mãos.
- Mas ele é médico, trata os dói-dóis!? surpreendi-me, não conseguindo conciliar no meu raciocínio infantil, estetoscópios, pincéis e tintas. A bata branca deveria útil para alguma coisa - eu via as minhas irmãs a usar bata no colégio, mas isso seria uns meses mais tarde.

Porque que é que ele usaria a bata branca? Como é que ele pintava e olhava para ele mesmo? Ignorava os truques dos adultos na reflexão das imagens de um espelho.

O meu pensamento tinha dificuldade em gerir toda esta informação com a preguiça e sonolência inconscientemente resultante da combinação infalível do calor, o compasso do tempo emitido pelo relógio de sala, e o colo confortável do meu pai.

Talvez tenha adormecido, ou a memória engoliu o tempo e as imagens da restante espera, misturando-os com outras esperas na mesma sala, ocorridas noutros dias e com outros propósitos. Não sei...

- O Otílio já vem aí? Então, pequenita queres um rebuçado? - perguntava-me uma simpática senhora de cabelo armado e bem penteado, que sorria para mim, e que tinha ido avisá-lo da nossa presença.

- Não obrigado, ela não quer. – agradeceu o meu pai.

- Quero, quero pois! - opús eu, manifestando uma total ausência de cerimónia perante estes familiares que acabava de conhecer, deixando o meu pai desarmado, perante essa desobediência descarada.

Passaram-me os rebuçados.

- Agradece. Diz: obrigada prima Estela. – ensinou-me o meu pai.

Entretanto uma figura quase silenciosa assomou à ombreira da porta de mãos cruzadas atrás das costas. Os meus olhos curiosos fixaram-se imediatamente nos seus bigodes. Sob estes emergia um sorriso afável, franco e quase do tamanho do mundo. Os seus cabelos eram revoltos mas belos.


- Como vais Jacinto?


Abraçaram-se os dois, num abraço de reencontro de dois continentes, feito de algumas cumplicidades, que se repetiu muitas outras vezes, encerrando histórias antigas, vivências comuns, ideais de liberdade partilhados e outros assuntos, nessa época, vedados ao mundo das crianças.(...)


In ”Ensaios de escrita: um projecto sempre adiado”, Anabela Quelhas (homenagem ao escritor, médico, músico, caricaturista e pintor Dr. Otílo Figueiredo)

14 setembro, 2009

Museu da Imagem e do Som no Rio de Janeiro - antiga boate Help

O projeto é do escritório nova iorquino :/ Diller Scofidio + Renfro, e foi inspirado no calçadão de Copacabana, propondo uma " verticalização" do calçadão na caminhada pelas rampas de acesso aos andares.



Além das salas de exposições permanentes e temporárias, o prédio terá um café e um cinema ao ar livre no terraço, um restaurante panorâmico no terceiro piso, um piano bar no segundo e “talvez uma boate”, além do auditório no subsolo, que também pode ser visto do piso térreo.







11 setembro, 2009

Bio-arquitectura






Bio-Architecture
de
Javier Senosiain
Edição/reimpressão: 2003
Páginas: 192
Editor: ELSEVIER SCIENCE & TECHNOLOGY
ISBN: 9780750656047

Consultem este sítio




09 setembro, 2009

Famous People Painting

ou clique sobre a imagem
À medida que vai passando com o cursor do rato pelas figuras e fizer um duplo click, recebe mais informação sobre cada uma.
Extraordinário!

08 setembro, 2009

Museu da arquitectura



Animação de projecto de Museu de Arquitectura para a Cidade do México - arquitecto Josué Hernandez.

05 setembro, 2009

Poltrona


Poltrona construida a partir de pneus reciclados.

03 setembro, 2009

01 setembro, 2009

25 agosto, 2009

31 julho, 2009

24 julho, 2009

Igudesman & Joo + Kremer & Kremerata



Estes divertem-se mesmo!

21 julho, 2009

11 julho, 2009

10 julho, 2009

07 julho, 2009

05 julho, 2009

23 documentos


Para quem interessar:

Fiz uma pequena actividade numa escola do 3º ciclo sobre "2009 sobre o ano europeu para a criatividade e inovação". Agora vejam o trabalho burocrático que tive que fazer. A actividade apareceu em 23 documentos. Para além de estar devidamente integrada no Plano Anual de Actividades do Agrupamento, foi necessário realizar:



  • a planificação geral das actividades de Educação Visual no inicio do ano lectivo,

  • a planificação como unidade de trabalho em Educação Visual,

  • a planificação anual das unidades da disciplina,

  • a planificação e relatório como actividade de cada docente,
  • referência em duas actas por turma (2º e 3º período),

  • referência em cada Projecto Curricular de Turma,

  • referência no relatório do director de turma;

  • referência em duas actas do grupo (subestrutura) de Educação Visual,

  • a planificação e relatório da Biblioteca referente às actividades de articulação com os departamentos,

  • referência em duas actas da biblioteca,

  • referência em duas actas do Departamento de Expressões,

  • referência em dois relatórios da coordenadora da Biblioteca,

  • referência no relatório do coordenador do Departamento de Expressões,

  • referência na ficha dos objectivos da docente (caso esta tivesse entregue, que não foi o caso),

  • e na sua auto-avaliação.

Ou seja, para tudo estar correctamente referenciado e assinalado totalizam-se por turma vinte e três documentos.


QUEM QUISER SABER O QUE SE PASSA ACTUALMENTE NAS ESCOLAS É VER ESTE PEQUENO RETRATO, E IMAGINAR QUE CADA PROFESSOR, FAZ 2 OU 3 ACTIVIDADES POR ANO, LECCIONA, PREPARA AULAS, CORRIGE TESTES, É DIRECTOR DE TURMA, FAZ VISITAS DE ESTUDO, ETC, ETC..


É isto que põe 140 mil manifestantes na rua.