24 novembro, 2011

Me encanta a dança


Aos sons das chávenas e das colheres

em compasso aleatório

soma-se o aroma dos cimbalinos

que circulam entre iguais

numa dança

desenhada sobre bandejas.

Aprecio a dança.

Não aprecio o sabor,

Sou de uma anormalidade genética

de não apreciar café.

Sofro de ausência de sensibilidade

para apreciar o precioso liquido.

Liquido marron de tingimento de café,

liquido fumegante

que obriga a rituais e dependências após almoços e jantares,

geração após geração,

acompanhados de conversa sobre coisa nenhuma

gravada nas madeiras,

nos espelhos,

nas mesas dos cafés da baixa do Porto.

Não aprecio,

mas me encanta a dança

E a dependência.


A. Quelhas

20 novembro, 2011

Reflexo dos espelhos

(Clique para ampliar)

Num reflexo dos espelhos

Espreito a alma

De alguém que se silencia a meu lado:

Um ilustre desconhecido.

Divirto-me pensando no acaso

Que me permite aproximar daquilo

Que não conheço

Observar o que nunca vi

Desnudar a intimidade

Do quotidiano de alguém

Que nunca mais encontrarei.

Dentro de minutos voará

Para outras dimensões urbanas

Transportando essências únicas

E in codificáveis

Ignorando-me.

Eu olharei os espelhos novamente

Espreitarei de novo

E saborearei o chá entretanto arrefecido.

Doce

E aromatizado com limão.

Filigrana


Foto: A. Quelhas ( Confeitaria do Bolhão)

17 novembro, 2011

12 novembro, 2011

ALMADA NEGREIROS








Deparei-me com este painel em baixo relevo do ilustríssimo mestre Almada Negreiros localizado no interior do Hotel Ritz em Lisboa. É uma parede revestida em mármore com um baixo-relevo, em que as áreas esculpidas são retocadas com pigmento dourado, dando um contraste belíssimo. Está representado um cavalo com cavaleiro, duas figuras femininas - alguém que dorme a sesta junto aos molhos de trigo e outra que transporta um cântaro à cabeça- e ainda uma figura masculino na parte da obra que evolui para um pilar.
O painel está integrado numa zona de circulação comum não principal, no piso da entrada.


http://www.sodim.pt/hotelritz.htm



11 novembro, 2011


Este é um momento único da minha existência.
Dia 11.11.11 às onze horas e onze minutos.
Data 11 - polissémica. Não vou dizer, mas com muitas, muitas referências na minha vida.
Este momento proporciona-se a alguma reflexão sobre o tempo, que é impossível de parar e de repetir. Sintome-me pequena, minúscula perante a complexidade que é o parâmetro TEMPO.

07 novembro, 2011

Dead Combo





"É editado hoje o quarto álbum da dupla portuguesa, no qual colaboram Marc Ribot, Camané ou Sérgio Godinho.

Os Dead Combo começaram por ser apenas dois. Tó Trips, o homem da cartola e de guitarra em punho, e Pedro Gonçalves, de contrabaixo na mão. À medida que os anos foram passando receberam mais e mais convidados. No último ano vimo-los recorrentemente acompanhados pela Royal Orquestra das Caveiras. As canções que eram então apenas de duas figuras ganharam uma nova dimensão.
Chegados ao quarto álbum surge pela primeira vez uma questão: "O que é que vamos fazer? Mais do mesmo?". A decisão foi então de voltar à base, quando eram apenas dois. Ainda assim, não resistiram a desafiar outros músicos. O resultado dá pelo nome de 'Lisboa Mulata'."
3/11/2011

http://www.dn.pt/inicio/artes/interior.aspx?content_id=2030578&seccao=M%FAsica

06 novembro, 2011

Um professor que um dia roubou o céu

O LIVRO DO MEU AMIGO PENA. FRESQUINHO, FRESQUINHO!

04 novembro, 2011