24 novembro, 2011

Me encanta a dança


Aos sons das chávenas e das colheres

em compasso aleatório

soma-se o aroma dos cimbalinos

que circulam entre iguais

numa dança

desenhada sobre bandejas.

Aprecio a dança.

Não aprecio o sabor,

Sou de uma anormalidade genética

de não apreciar café.

Sofro de ausência de sensibilidade

para apreciar o precioso liquido.

Liquido marron de tingimento de café,

liquido fumegante

que obriga a rituais e dependências após almoços e jantares,

geração após geração,

acompanhados de conversa sobre coisa nenhuma

gravada nas madeiras,

nos espelhos,

nas mesas dos cafés da baixa do Porto.

Não aprecio,

mas me encanta a dança

E a dependência.


A. Quelhas

1 comentário:

Anónimo disse...

Estimada Amiga:
Eu adoro café e o lugar de sonho.
Não tens sensibilidade?
Então, o que vejo?
Beleza, encanto e talento numa sensibilidade linda e pura.
Parabéns.
Beijinhos amigos de pureza no maior respeito, estima e consideração pelo teu valor imenso.
Sempre a admirar-te

pena