03 maio, 2007

Ensaio arquitectónico

Chegou este email. Este, e outros, e mais outros.
Não sei quem é o autor.
Nos últimos 15 dias os meus amigos fazem questão de me enviar este mail, como se fosse uma provocação. Alguns já me enviaram duas vezes.... as legendas são variadas:... "isto só pode ser de arquitecto",
"onde vocês andam com a cabeça?",
"os engenheiros não vos põem um travão?"
"é a cara de arquitecto",
"estão com a imaginação saturada?",
"vocês fazem-me rir, então agora temos que andar de gatas dentro das nossas casas?", "Já não tenho idade para andar a escorregar dentro de casa".
Não é uma solução que me agrada plenamente, mas tem muitos aspectos que considero interessantes. A linguagem arquitectonica é pobre, mas a solução formal é super interessante.
O exercício de criar no interior de um volume, que se encontra posicionado de uma forma diferente daquilo que nos habituamos a ver, espaço habitacional, é um desafio estimulante. Tudo pode mudar por fora, mas no interior, os pisos têem de ser planos horizontais (para ninguém escorregar, obviamente)... daí a dificuldade da solução.
Muito interessante... diversas gerações de arquitectos desenvolveram certamente este ensaio, pois afinal o autor deste projecto não é um génio. Esquissos semelhantes abundam no estirador de muitos arquitectos, ... o meu não é excepção. O difícil é arranjar um cliente que aceite este tipo de propostas.
De facto os engenheiros ficam muitas vezes de cara à banda, pensando..."lá vem esta com as novidades, lá tenho eu que reformular calculos e arranjar soluções especiais"... mas curiosamente, ainda nenhum quis desistir, e são esses mesmos projectos "meio loucos" que eles colocam nos seus currículos.
Abraço arquitectónico para todos.









Casa Leytron, Suíça - Nunatak Architects

2 comentários:

Poliedro disse...

A inconveniência de se ser arquitecto é que ninguém os compreende. Parece que falam uma outra língua que não a minha.
Para simplificar. O que me parece isto?
Uma simpática casa que se atira aos tombos, sem ninguém entender ou poder ajudar.
Vá lá entender os arquitectos?
Eu não me meto mais a comentar isto, podem crer.
Um Beijo direitinho.
pena

a. quelhas disse...

Adorei a expressão "casa aos tombos", vou registar como uma das mais originais. Quando aos arquitectos incompreendidos não penses que isso se apresenta como um inconveniente, nada disso!Isso é um verdadeiro estímulo!
Bj ahahahahahah (gargalhada)