23 junho, 2007

O meu encontro com Mona Lisa

Prometi que voltava à Mona Lisa....
Mona Lisa é famosa em todo o mundo, pela sua expressão introspectiva, pelo seu enigmático sorriso e por ter sido pintada pelo mais estimado mestre renascentista, Leonardo da Vinci.
Terá sido a esposa de Francesco del Giacomo ou terá sido Isabel de Aragão?

A identidade do modelo permanece desconhecida, e ainda se questiona se o modelo terá sido masculino ou feminino (e esta?).

Lillian Schwartz, cientista dos Laboratórios Bell, sugere que a Mona Lisa é na verdade um auto-retrato de Leonardo, e eu acrescentaria, travestido. Comparando um auto retrato de Leonardo com a mulher do quadro, verifica-se que as características dos rostos se conjugam na perfeição.

Um computador da Universidade de Amsterdam, programado, com a colaboração de uma Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, para - reconhecimento de emoções - analisou o famoso quadro de Leonardo para tentar revelar o famoso sorriso da mulher retratada, que constitui um dos maiores mistérios da arte mundial. Desenvolveram um algoritmo que tenta determinar os sentimentos expressos por uma pessoa através da análise de traços faciais, como a curvatura dos lábios ou as rugas dos olhos.

A conclusão foi a seguinte:La Gioconda era 83% feliz, 9% enjoada, 6% atemorizada e 2% incomodada. (ultimo nº e da revista "New Scientist").

Há especulações sobre uma possivel gravidez de Mona Lisa, baseadas na postura das suas mãos inchadas sobre o ventre, fazendo-se a analogia com o gestual de protecção ao ventre das gestantes.

Mais importante do que a figura em si, é definitivamente, a técnica de pintura a óleo, criada por Leonardo, que lhe permitiu criar sombreados subtis, através do célebre sfumato , e uma perspectiva atmosférica impossiveis de produzir com a têmpera de ovo, então usada.

Leonardo demorou vários anos a pintar sua Lisa, e levou-a de Itália para França.

Mona Lisa foi o fetiche de Napoleão e este não a dispensava dos seus aposentos intimos; foi roubada uma vez por um italiano, inconformado por esta obra não estar no seu pais, foi agredida, e já viajou pelos Estados Unidos, Japão e União Soviética - currículo interessante!

Mantém-se no Museu do Louvre em Paris.

Um amigo meu, duplo especialista em olhares de Mona Lisa (olá Xico) defende a teoria, que o olhar da referida, nos acompanha, consoante nos deslocamos à sua frente, o que confirma a magia e simbolismo de questa donna.

Confesso que não a aprecio, e tenho até, um certo ódiozinho de estimação por ela, dado que o seu nome insiste em me acompanhar pela vida fora! - vá-se lá saber porquê!

Fui ao Louvre visitá-la!

Coitada!
Vi uma Mona Lisa de pequenas dimensões (77X53), em que a sua pequenês se assentua ainda mais, junto de "As bodas de Canaa" ou de "Coroação de Napoleão", obras verdadeiramente gigantescas.

Tem um sorriso completamente depré, dado que se encontra completamente encaixotada em vidros anti bala e anti motim, e iluminada por luz fria para evitar as rugas no seu rosto seiscentista.

Passeei-me à frente dela, para confirmar a tal teoria do movimento dos olhos.



Aproximei-me, afastei-me, sustive a respiração, respirei fundo, simulei um virar de costas, vigiei-a discretamente enquanto outros visitantes ensaiavam também os seus rituais, provoquei-a, pisquei-lhe o olho.... nada!

Acabei por retribuir-lhe o sorriso! ... muda e queda pour toujours !!!
Aquela ausência das sobrancelhas e pestanas, torna-a ainda mais estranha e patética.

500 anos a sorrir, sem perder a compostura, como é possivel?

O que fará durante a noite?

Será que adormece com aquele mesmo sorriso, ou boceja de enfado e cansaço?

Lembrei-me tambem da interpretação de Sigmund Freud, que considerou que aquele sorriso revela uma atracção erótica entre Leonardo e a sua mãe, como não podia deixar de ser!

Se fosse pintada hoje, Leonardo retrataria certamente a mulher conformada, que deu prioridade à familia em vez de se realizar profissionalmente e que ainda por cima assume que adora pilotar um fogão.

Aquela que sufocou os seus sonhos para não atrapalhar ou ofuscar o papel do marido, tendo-se colocado sempre no final da sua própria lista de prioridades.

Os admiradores são imensos, de todas as nacionalidades e raças, fazem até, fila, e olham-na embevecidos, agradecidos e realizados por aquele momento, estar de facto a acontecer nas suas vidas.

Porque a amam tanto?

Obrigatóriamente dividi a minha atenção entre a obra de arte e os observadores, e cheguei a um ponto, em que os últimos levavam vantagem.

Registei os seus olhares, as reacções e comentários que faziam para os acompanhantes - sorriso lascivo, inocente, triste, alegre, convidativo, enigmático... e reparei que aquela sala nunca se esvaziou - eu diria que é uma sala de culto.

A grande maioria olhava-a com grande ternura, é um facto!

A Mona Lisa fundou o modelo adequado ao retrato. Da cinta para cima, mãos cruzadas sobre o regaço, postura a 30 graus, cenário ao fundo com maior ou menor qualidade, rosto e colo com boa luminusidade... e o tal sorriso, que ninguém sabe classificar.

Sorri de quem, do quê ou para onde?

O modelo de retrato mencionado será utilizado, posteriormente, por muitos outros pintores, fotógrafos e até na televisão.

Quando se vai ao fotógrafo tirar as fotos tipo "passe", o que acontece, meus amigos?

Lá vem a posição Mona Lisa!

Nunca pensaram nisso?

Nunca se acharam completamente ridículos, e furiosos quando posteriormente, verificam que o sorriso ficou a condizer?

Alguns menos simpáticos já a ridicularizaram, como Marcel Duchamp (Movimento Dada) que lhe pintou pêra e bigode, entrando definitivamente no mundo da clonagem.

Dali pintou um auto retrato com a "colagem" da dita e foi pela mão de Andy Warhol que entrou na Pop Art.

E quem é que já não cedeu à tentação de se auto retratar pelas agora, tão acessiveis, possibilidades de clonagem informática, ou então reforçar o seu sorriso, com um rosto de gata, ou colocando-lhe rolos na cabeça?

Há ainda a Mona Lisa interactiva, basta uma busca na net, que facilmente cada um adapta a sua expressão a seu gosto.

Como estaria ela da cinta para baixo?Já muito humor se fez a partir desta interrogação e já muito cartoon se criou!

Afinal será esta a mulher ideal?

Depois de me encontar com Mona Lisa, um verdadeiro ícone da pintura, e como deve acontecer quando se encontra alguém, pela primeira vez, realmente importante e com significado, realiza-se uma avaliação mais fundamentada e reformula-se a opinião.

Eu que sempre a considerei 100% tótó, mesmo sem qualquer base científica, revi a minha avaliação:
80% tótó10% desesperada5% de esgar claustrofóbico3% conformada 2% decepcionada(que me desculpem os milhares de admiradores)


Publicado em www.sanzalangola.com em 21/02/2006

3 comentários:

Nilson Barcelli disse...

O que tu sabes da rapariga.
A verdade é que a obra é de tamanho insignificante...
Fizeste um bom trabalho sobre o tema.
Bom fim-de-semana.
Beijinhos.

Poliedro disse...

Anabela:
Li a tua descrição atentamente.
Notável! Sabes, és um "poço" de talento que admiro.
Verdadeiramente surpreendente!
Por vezes, não consigo acompanhar-te. Olha, admiro-te. Já sabias?
O que vale é que a Gioconda, a tua Gioconda, parece que vale pelo que é. 83% Feliz para os cientistas que trataram o assunto ou 80% tótó para ti, não interessam muito.
É um ódiozinho de estimação o seu nome e, o seu olhar também, que te acompanharão infinitamente.
Excelente! Adorei!
Beijos e estima
pena

Anónimo disse...

Pois é, esse nome já te vem de muito longe, recordei agora, Mona Lisa.
ah ah ah
Mª João