31 dezembro, 2006

Como correu o Natal? (cont)



Já que estamos nos presentes, eu prometi o Chaolin e cumpri! Não podia destruir as expectativas dos meus amigos e familiares, que andavam ansiosos, a espreitar a toda a hora as montras do Hiperchina. Se não foi o Chaolin foi o “plimo”, que é a mesma coisa!
Ainda pensei em oferecer livros, numa de promover o meu lado intelectual e o dos outros também,.. comprei até uma revista com conselhos bem adequados ao perfil dos meus amigos, … por exemplo:
…para o meu amigo Poliedro (fumador militante) eu poderia comprar”O pequeno livro para deixar de fumar”, para o Orlando Blume (vanguardista) seria “António Variações – entre Braga e Nova Iorque”; para o Vítor (namorado da minha filha), nada melhor que “Dê cabo da sua vida amorosa”, para o meu amigo Jota (que necessita de um bom modelo literário que o inspire na contagem regressiva à beira do Zulmarinho) seria, “Vou contar-te um segredo” da escritora de tão grande sucesso, Margarida Rebelo Pinto,… (ok, prontos… dou a mão à palmatória!!!! Embirro com ela!), para um compincha que vive lá na Normandia, um “prontuário da língua portuguesa” veria mesmo a calhar, para a prima Edite (que anda sempre com a carta astrológica e a desbaralhar-me com bolas de cristal, conchas, caranguejos, escorpiões, e outros que tais, que vivem à beira da agua, mas que são fogo…eu sei lá) iria levar com “O Livro das Respostas”, para o meu neto (que tem a mania q é super herói), “Capitão cuecas”, para o Naondinho (economista), “Freakonomics- o estranho mundo da economia”… e por aí fora!!!!

Se pensam que estou pra aqui a reinar, desenganem-se! Eu não inventei nada, edição numero 46 “os meus livros”….

Mas aí, pensei, pensei, repensei… afinal um livro é um amontoado de letras, algo impessoal, que se perde em qualquer estante, correndo o risco de não combinar com o tapete tipo persa… e bem espremido o que dá? Montes de pó e cotão, que dá um trabalhão a limpar! Depois são quase todos, uma seca, só letras… sem bonecos…ainda por cima letra miúda, daquela que para ler depois dos 40, só de braço estikado!!! … e pesam! se pesam antes de adormecer! acordando o leitor sempre que se esparrama no chão, quebrando a magia do iniciar dos sonhos. Por outro lado, toda esta gente está bem na vida, não têm nenhum móvel de perna bamba a necessitar de num calço literário, daí a completa inutilidade de um livro.

Olhem, revi a minha ideia, não seria uma boa prenda e decidi-me mesmo pelo Chaolin, com presentes personalizados, e com a qualidade do oriente. A estrela também não surgiu do oriente? Então!!!! Tem tudo a ver!
Sei lá… peúgas para o tio Zé, os três pastorinhos para a sogra, uma boina para a sogro, a oitava gravata para o tio Joaquim (que as estima de tal forma que nem as usa para não estragar), um suporte para telemóvel com forma de sapato de senhora, para a Miquelina, um pisa papeis, para o sobrinho António e lenços de assoar, com monograma bordado, para aqueles que já me ia faltando a imaginação.

Regressando ao repasto, pois foi uma mesa farta!
pois teve de tudo!
e pois foi com agrado e dranquilidade, que vi os menores de 10 anos, a chorar baba e ranho, por não quererem comer o bacalhau e o polvo, teimando graciosamente com os seus progenitores, que queriam pizzas e hambúrgueres.
São sempre cenas ternurentas destas que me fazem amar o Natal! E recordá-lo nos restantes dias do ano, como uma referência da harmonia familiar e do convívio ameno entre velhos e novos.

A acompanhar e a estabelecer a diferença deste natal, todos tiveram o prazer em ouvir ao longo das refeições “A noite feliz”, versão barriga de pai natal, que eu pendurei no lustre, central, e que ao mesmo tempo que emitia aquela sonoridade celestial, abanicava os braços e a cabeça – uma ternura!

Tirei fotos a todos, o mesmo cenário do ano anterior, com o barrete de pai natal na cabeça, face bem rosada e aquele sorriso de quem esta a pedir uma água das pedras com urgência. Aos menos fotogénicos, sugeri-lhes a pronúncia de “bananaaaaa” para melhorar a sua estrutura facial, e apresentarem uma xipala que não assuste a objectiva da câmara.

Os meus presentes?

Os que recebi?

Bem, voltei a receber um saleiro e um pimenteiro, um pijama, o tal livro do Dan Brown, os Ferrero Rocher (dos mais imaginativos), as luvas (já tenho seis pares e que me fazem imensas frieiras)….

Apresento o meu protesto!, ainda não foi desta q recebi ouro! Acho que tenho que divulgar melhor a estória dos três reis magros.

Entre frituras, açúcar e a canela mais conhecida por mirra, iam-me chegando sms dos mais variados sítios.
Agradeço a todos o carinho. Todo o mundo saudando a minha família em simultâneo, nem sei bem porquê, desconhecendo eu, que afinal todos se conheciam. Como o mundo é pequeno!

Simmmm, correu bem, parecia mais um exercício de restauração numa cantina de estudantes, do que refeições familiares caseiramente servidas por je. De bata caveada, socas nos pés e soquetes, foi assim que apurei os paladares gastronómicos.

Não acreditam? A esta hora, nem eu! São 23 horas e 45 minutos do dia 31 de Dezembro dde 2007 da era do Senhor (como o Senhor tá kota!!!).

Mas que ganza! Vou mazé para o reveillon e conversar com Iemanjá.

BOM ANO PARA TODOS E EU NA VOSSA COMPANHIA.

3 comentários:

borralho disse...

Imaginação não te falta. Combinas bem as palavras...e para terminar o ano uma foto bem curtida

Poliedro disse...

Dada a hora, penso que fui o primeiro a ler esta descrição inédita da ceia de Natal. Por isso, tenho que comentar.
Ri a bom rir. É bom rir. Sorrir é importante, mas resolvi desta vez, rir. Onde está a piada? Na ceia inédita e jamais vista de oferenda de presentes. Achei a atitude engraçada e divertida. Daí o riso e não o sorriso.
Desculpa, antes de me deitar, vou fumar o vigésimo cigarro do dia! Podia evitá-lo, mas assim consigo digerir tudo de bom com que me surpreenderam e aconteceu nesta passagem de ano.
Feliz Ano Novo, para ti!
Desculpa, há certas coisas que poderia acrescentar, mas são inoportunas e deselegantes de pôr num blog. Adiante! Depois explico.
Abraço.

semrima disse...

Katé me embaralhei com a data!!!
#!«$X
31 de Dezembro de 2006
... assim é que é.