19 outubro, 2007

Sonho causado pelo voo de uma abelha em torno de uma romã um segundo antes de acordar

Sempre me cativou esta complexa pintura de Dali. Ela está a viver no museu Thyssen- Bornemisza, em Madrid.
Esta pintura coloca muitas interrogações para quem a observa.
Para já o nome, “Sonho causado pelo voo de uma abelha em torno de uma romã um segundo antes de acordar” - looooongo, complicado de memorizar, muitas vezes trocando-se a abelha com a romã… depois, a pintura é belíssima, a composição é fantástica, mas equilibrada, a representação é perfeita, o conjunto emite uma mensagem enigmática, mas marcante…. carregada de simbolismos, que se perdem na memória da história. É uma pintura que nunca mais se esquece – grande característica de Salvador Dali.


Para quem conhece a obra de Dali facilmente deduz que a mulher deitada será Gala. Deitada, mas levitando num sonho que lhe pertence. ou não! Só os homens/mulheres serão capazes de sonhar?
O observador consegue, viajar em dois tempos e em duas dimensões: O tempo do real e o tempo do sonho, a dimensão da romã circundada pelo voo da abelha e a dimensão da romã reproduzindo-se sucessivamente passando do vegetal ao animal, do ar, ao fogo, passando pela água e pela terra. Uma viagem que é desenhada do pequeno ao grande, da calma à agressividade, do feminino ao masculino, da subtileza à pujança. Apreciem o diálogo subtil entre as gotas de orvalho ou pérolas de Vénus e o elefante de Bernini, carregando uma forma fálica, completamente indiferentes à tal multiplicação onírica, que termina numa espingarda com baioneta, que apenas pica o braço direito de Gala, tal e qual um ferrão de abelha. …. esta passeia-se…. passeia-se em torno de uma romã, com sombra de coração que afinal, mais não é que a grande paixão de Dali por Gala.
Uma romã fechada e uma romã esventrada, vertendo apenas duas sementes comestíveis, simbolizando a fecundidade, o amor, o afrodisíaco… e que levitam também elas sobre um mar excessivamente calmo, que se deixa penetrar pelas patas gigantescas de um elefante de diversas rótulas…
… e a abelhinha calmamente circulando.
Quem sonha?
Seremos nós?

4 comentários:

Té la mà Maria - Reus disse...

voy a mirar para otro lado, mi cielo besos tiernos

Pena disse...

Simpática Amiga Anabela:
Nunca entenderei, apesar do imenso esforço que faço, a tua genialidade e talento.
Paira no ar, algo de muito sensível. Belo. Puro que estarrecem.
Salvador Dali era inferior a ti, que o entendes na plenitude e ele não te entende a ti, onde quer que ele esteja.
Adorei! Excelente!
O meu eu sonhador será só para me silenciar perante tanta magia deslumbrante, tanta maravilha e agradecer por seres minha amiga.
Um Bem-Haja Anabela Amiga.
Ler-te-ei sempre.
Beijinhos amigos

pena

Anónimo disse...

Ana: Como é bom ler-te sobre estes assuntos artísticos. Espero que o faças muitas mais vezes, obra a obra, pintura a pintura, pois isto enriquece a nossa navegação.
J.A.

Pena disse...

Simpática Amiga Anabela:
Pela primeira vez, corroboro e vinco bem o meu parecer idêntico ao Lindíssimo pensar do Anónimo.
Anabela, és um talento que não se pode perder.
Abraço de amizade e muita estima pelo que és.
Beijinhos de amizade inequívoca.

pena