16 janeiro, 2008

Quando o céu vira tela









Estava num laboratório de de físico-químicas, neste sábado à tarde, algures por aí, entre experiências acústicas, vibrações, timbres e outras coisas que tais e assim num repente senti um feeling de sair - aquelas sensações que nem física, nem quimica sabem explicar através de fórmulas matemáticas ou tubos de ensaio. Não há Big Bangs, pontos Alfa e pontos Omega que nos impeçam de sair de fininho, mesmo correndo o risco de alguém nos julgar de modo menos conveniente.
Cheguei cá fora e olhei o céu...

3 comentários:

Joana Silva disse...

Ninguém te julgará ou castrará; o pessoal está consciente e agradece, e eu em particular, a tua disponibilidade.
O céu... olhar o céu. Olhar o céu é querer ver mais, é abrir o leque. É também essa uma das contribuições da arte, tal como da ciência, querer ver mais, ir mais além, largar o óbvio, não?!
Beijos.

Pena disse...

Fascina-me o céu azul.
Olhar as estrelas traduz-se em encanto e beleza.
Sublime.

Bj amigos de respeito e estima

pena

Anónimo disse...

Eh pá que céu!!!!! Como chegaste até lá?
Archie