08 outubro, 2010

Humor - arquitectos

Restaurante ToriTori


Un Arquitecto no es un crítico, es que los errores de la gente son muy evidentes.


3 comentários:

Pena disse...

Preciosa Amiga:
Uma arquitecta é um Ser Humano maravilhoso. Constata. Observa. Soluciona e cria da forma que sente. Gosta e ama.
Enfim, transforma e inova.
Tenho imensa admiração pelos arquitectos. Sem eles o Mundo nunca seria Mundo. Vivem da sua inteligência construtiva, entendes?
Tu?
És extraordinária.
Que seria a nossa escola sem ti e sem as tuas ideias geniais? Diz-me.
Beijinhos amigos.
Com imenso respeito por ti e pelo que concebes de deslumbrar e fascinar.
Sempre a estimar-te

pena

O teu pensamento é sublime. Puro. Admirável.
Bem-Hajas, preciosa amiga.

x disse...

ou não....

O Nosso Mundo da Imaginação disse...

Entro no café.
A esta hora do dia repleto de rostos vazios que se entrechocam no olhar. Sem conhecimento mútuo.
As alvas paredes aconchegam-me de afecto. Parecem abraçar-me. Parecem falar.
Já os olhares são distantes. Vazios. Os gestos estereotipados de sempre. O pensamento longe dali.
Parecem descortinar um Mundo. Um Mundo que também é o meu.


Sento-me numa tosca mesa. O meu lugar aqui, parece-me preenchido. Gente que entra. Gente que sai.
É o ritual habitual de todos os dias.
As moscas vagueiam ao acaso. Poisam aqui e ali. Insuportáveis, mas presentes.
Inevitavelmente presentes. Querem persistir. “Respirar” a sua incómoda presença.


Peço um café com afabilidade. A empregada recebe a notícia com indiferença. Não era de esperar outra coisa. Vive a sua desconhecida vida. Não quer saber quem sou. E, eu estou lá. Estou a ocupar um lugar. Aconchegado ao meu pensamento. “Carregado” de sentimentos de sempre.
Mas, também não entro no jogo inconveniente da desconhecida. Ignoro-a.
Estou vivo. Vivo porque Ele me deixa viver, Está de bem comigo e pelo que sou. Também não sou uma pessoa que O incomode. Que O incomode na Sua grandiosidade.

Não sou dado a falas. “Sou”, apenas, não se esqueçam!
Há olhares de todos os géneros e feitios. Pessoas de vidas diferentes.
Sinto uma conversa aqui e outra ali. Várias conversas desinteressadas. “Enterro-me” em mim, por persistirem no ritual complexo da minha existência. São, apenas, conversas sumidas no seio do Mundo. Vivem no Mundo. Querem vivenciar o Planeta. Que os faz “agarrar” a ele. Persistem, na incompreensão do que são.

Às vezes, suscita-me a ideia de preferir as moscas. Prefiro o que sentem. São dispensáveis, mas coexistem.
Acredito na poesia. Nos instantes. Nos momentos. Nos actos.
Tudo se divulga na beleza do teu e do meu sentir. Compadece-se com o meu pensamento que trago sempre comigo.
Este nunca me deixou ao acaso. Longínquo. Indiferente. Aqui e ali. Possuo-o. Nunca o abandono. Nunca o abandonaria, nem em sonhos. Sejam reais ou irreais.
Surpreende-me, por nunca trair o que me vai cá dentro.
É a “metralha” do pensamento que me “bombardeia”. Não cessa, facilmente.
Consigo ouvir o bater cardíaco das pessoas. Ausculto seres “compostos” de vida. Descortino seres mais “descompostos”por não acreditarem nela. Sim! Na vida. Preciosa, a existência, já repararam…?
Enfim, “assimilei” o lugar onde me sento.
Tomei o café!
Digeri-o com tranquilidade e sossegadamente.
Depois?
Depois,”transportei-me” imiscuído do meu eterno sonhar, para fora dali.
“Transportei-me” em sonhos entre o café e a minha divagação constante...
Está bem assim…?


Existes. Que bom.
Abraço amigo.
Com respeito e admiração constantes.

pena